Fazer uma tatuagem é arte?

A definição de arte é muito difícil. Já procurou num dicionário? Arte é… arte. É uma comunicação via estética, uma criação reconhecida como tal numa construção cultural mutável, o que resume uma tentativa de dizer que arte é… arte. O que é arte para nós, pode não ser para os outros. Muito interessante é o “Quadrado preto sobre um fundo branco” de Malevich, no que toca a discussões sobre arte.owl-1281791_960_720

Tatuagem é arte? Tatuagem pode ser considerada uma criação de arte, um pouco efémera sem dúvida, com o intuito de expressar ideias e emoções. Não só é hoje considerada como uma forma de arte, mas também como um verdadeiro movimento de arte.

Há registos que colocam a tatuagem como uma forma de expressão desde os antigos egípcios até aos polinésios e maoris. Muito ligada à religião, tais como muitas pinturas e obras de arquitetura, foi com o tempo evoluindo para algo mais. Ainda hoje existem religiões que proíbem (ou desencorajam vivamente) a tatuagem, sob a ideia de profanação ou modificação do corpo. Noutras religiões, pode ser encorajada em certas partes do corpo, não como uma manifestação de arte mas como uma manifestação religiosa. Também não se pode deixar de recordar que entre manifestações religiosas e manifestações culturais, as tatuagens também foram utilizadas com outros propósitos (em presos, nomeadamente).

Mas sem preconceitos, que ainda hoje existem, na verdade a tatuagem foi com o tempo aceite entre as mais variadas camadas populacionais. É uma arte com raízes mais profundas do que por vezes imaginamos. A pintura corporal (não podendo ser confundida, mas que não deixa de estar ligada com a tatuagem) é uma pintura que em alguns povos vem desde a antiguidade, onde os corpos eram (e ainda são) pintados como forma de expressão. A tatuagem é mais permanente, sem dúvida, mas não é difícil encontrar exemplos de culturas que justificam este movimento, transversal em termos sociológicos a vários níveis.

A tatuagem não deixa de ser arte efêmera, pois a sua duração está inevitavelmente dependente da vida, sendo exatamente por isso que é considerada por alguns como arte viva.